segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Amigos poetas de outros estados enviam saudação para a Casa do Cordel pelo seu aniversário

HOMENAGEM A CASA DO CODEL

Distante eu observo
Remando contra a maré.
A luta de um poeta
O guerreiro Abaeté.
Nesse caminho difícil
Pra o cordel dá o ponta pé.

No país em que a cultura
Nunca é prioridade.
A verba vai para uns pontos
Deixam outros na saudade.
Machucando nossa arte
Matando a diversidade.

Na cidade de Natal
Onde estava esquecido.
Chega a Casa do Cordel
Folheto fica erguido.
Incentivando poeta
Mostrar o que é produzido.

Com a Casa do Cordel
Nesses três anos de vida.
Propaga, fazendo a arte
História de nossa lida.
Poeta brotou da fonte
No espaço que deu guarida.

O cordel chegou com força
Em Natal, nossa cidade.
Passando por pau e pedra
Sem apoio de autoridade.
Mostrando que é possível
Vencer com nossa unidade.

Desse espaço cultural
Eu daqui de Sampa digo.
Que a Casa do Cordel
Do poeta é abrigo.
Portanto, é um patrimônio
Do cordelista amigo.

Nando Poeta, Sõ Paulo/SP

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Abaeté desfraldou
A bandeira do Cordel.

Um cabra do Moxotó
Onde reinou o cangaço
Veio buscar seu espaço
Nas terras do seridó
E sem usar o gogó
(Só a pena e o papel)
Transformou-se em menestrel
Quando Natal lhe abraçou.
Abaeté desfraldou
A bandeira do Cordel.

É um poeta inspirado
Nos antigos cantadores,
Cordelistas, escritores
Que descreveram o passado
Do nosso sertão amado
Talhado pelo cinzel
É um doutor sem anel
Mas quem o leu exclamou:
- Abaeté desfraldou
A bandeira do Cordel!

Fazendo a xilogravura
Seu filho Erick é um craque
Criando, dando destaque
Para os temas da Cultura.
A nossa Literatura
Agora tem um quartel
E a rima em seu batel
Em Natal já ancorou.
Abaeté desfraldou
A bandeira do Cordel.

Mote e glosas: Wellington Vicente
Porto Velho-Rondônia, 27/08/2010.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

São três anos pintando por escrito
o semblante do povo Nordestino,
essa casa é um mundo onde o destino
dos poetas a nada está restrito,
onde o sábio poeta dá seu grito
libertando sua alma dos "aléns"!!!
Seu tesouso é o poeta, o verso "os bens",
a cultura é a coluna que a sustenta,
HUMILDADE é o pão que lhe alimenta...
dou para essa entidade os "PARABÉNS!!".



Para a CASA DO CORDEL em homenagem pelo seu aniversário.

Do poeta membro e admirador

Raul Poeta.
Juazeiro do Norte/CE

Nenhum comentário:

Postar um comentário